STRESS

O Estresse: saiba mais a respeito

estresse é uma resposta natural do organismo e todos passamos por ele, em várias situações do dia a dia.

Porém quando somos submetidos a condições de esforço demasiado,  a situações que nos submete a pressões e que demandam mais do que conseguimos realizar, seja por questões emocionais, psicológicas ou físicas, entramos no quadro chamado de estresse.

As principais causas são: conflitos no ambiente familiar, dificuldades financeiras, problemas de saúde na família, dificuldades no trabalho ou a falta dele, relacionamentos tóxicos, divórcio, excesso de responsabilidades.

Não é uma doença. Segundo a medicina, ele é uma reação fisiológica desgastante de adaptação do organismo.

Apesar de natural a vida humana, a nossa tolerância deve ser trabalhada constantemente para não ocasionar outros problemas, tal como a síndrome de burnout.

Veja os principais sintomas:

  • Dificuldade de concentração;
  • Problemas de memória;
  • Dor de cabeça constante e/ou enxaqueca;
  • Dores musculares;
  • Desconforto e problemas intestinais;
  • Náusea e/ou tontura;
  • Batimento cardíaco acelerado e/ou dores no peito.

Os tipos de Estresse

Estresse agudo

As situações que desencadeiam um estresse agudo podem variar de pessoa para pessoa. Há quem já sinta os sintomas diante de um simples atraso para chegar no trabalho, enquanto outras pessoas só chegam a este ponto quando passam por um assalto, por exemplo.

Segundo a Associação Americana de Psicologia, os principais sintomas são:

  • Dor de cabeça tensional
  • dor nas costas
  • dor na mandíbula
  • dores musculares em geral
  • azia
  • flatulência
  • diarreia
  • palpitações cardíacas
  • aumento de pressão
  • mãos suando.

Por ser decorrente de estímulos pontuais, os sintomas costumam irem se atenuando quando o episódio estressante se afasta.

Estresse agudo episódico

A Associação Americana de Psicologia ainda define o estresse agudo episódico, que é quando esses estímulos que causam as reações agudasse repetem com frequência.

Neste caso, os mesmos sintomas do estresse agudo persistem e voltam.

Estresse crônico

Quando uma pessoa se mantém continuamente estressada, e isso faz parte da rotina, o estresse pode estar se tornando crônico. Neste caso, as reações do corpo e os sintomas não vão embora, afetando diversas áreas da vida. O estresse crônico é um fator de risco para ansiedade e depressão

De acordo com o psiquiatra Mário Louzã, o estresse crônico é prejudicial ao corpo principalmente porque alguns hormônios, particularmente o cortisol, começam a entrar em ação. “Se o cortisol fica muito elevado durante dias, semanas, começa a gerar problema para o organismo, que não foi feito pra ter esse hormônio em sobrecarga”, explica ele.

Sintomas:

  • fadiga
  • desgaste
  • mal estar
  • cansaço
  • esgotamento
  • aumento da vigilância
  • dificuldade em relaxar e descansar
  • desânimo
  • tristeza
  • sensação de fracasso
  • dificuldade de sentir prazer
  • alteração do sono.

Mário ainda alerta para a possibilidade de que o estresse crônico se transforme na Síndrome de Burnout, doença principalmente relacionada ao trabalho.

Transtorno do estresse pós-traumático

Quando o episódio que desencadeou o estresse agudo representou ameaça à sua vida ou à vida de terceiros, é possível que a pessoa desenvolva o transtorno do estresse pós-traumático (TEPT). Ele pode ser definido como um distúrbio de ansiedade caracterizado por um conjunto de sinais e sintomas físicos, psíquicos e emocionais.

Esse quadro ocorre devido à pessoa ter sido vítima ou testemunha de atos violentos ou de situações traumáticas.. Quando ele se recorda do fato, revive o episódio como se estivesse ocorrendo naquele momento e com a mesma sensação de dor e sofrimento vivido na primeira vez. Essa recordação, conhecida como revivescência, desencadeia alterações neurofisiológicas e mentais.

Você pode se interessar por este texto: Segurança Psicológica: saiba o que o Google descobriu

 

estresse é uma resposta natural do organismo e todos passamos por ele, em várias situações do dia a dia.

Porém quando somos submetidos a condições de esforço demasiado,  a situações que nos submete a pressões e que demandam mais do que conseguimos realizar, seja por questões emocionais, psicológicas ou físicas, entramos no quadro chamado de estresse.

As principais causas são: conflitos no ambiente familiar, dificuldades financeiras, problemas de saúde na família, dificuldades no trabalho ou a falta dele, relacionamentos tóxicos, divórcio, excesso de responsabilidades.

Não é uma doença. Segundo a medicina, ele é uma reação fisiológica desgastante de adaptação do organismo.

Apesar de natural a vida humana, a nossa tolerância deve ser trabalhada constantemente para não ocasionar outros problemas, tal como a síndrome de burnout.

Veja os principais sintomas:

  • Dificuldade de concentração;
  • Problemas de memória;
  • Dor de cabeça constante e/ou enxaqueca;
  • Dores musculares;
  • Desconforto e problemas intestinais;
  • Náusea e/ou tontura;
  • Batimento cardíaco acelerado e/ou dores no peito.

Os tipos de Estresse

Estresse agudo

As situações que desencadeiam um estresse agudo podem variar de pessoa para pessoa. Há quem já sinta os sintomas diante de um simples atraso para chegar no trabalho, enquanto outras pessoas só chegam a este ponto quando passam por um assalto, por exemplo.

Segundo a Associação Americana de Psicologia, os principais sintomas são:

  • Dor de cabeça tensional
  • dor nas costas
  • dor na mandíbula
  • dores musculares em geral
  • azia
  • flatulência
  • diarreia
  • palpitações cardíacas
  • aumento de pressão
  • mãos suando.

Por ser decorrente de estímulos pontuais, os sintomas costumam irem se atenuando quando o episódio estressante se afasta.

Estresse agudo episódico

A Associação Americana de Psicologia ainda define o estresse agudo episódico, que é quando esses estímulos que causam as reações agudasse repetem com frequência.

Neste caso, os mesmos sintomas do estresse agudo persistem e voltam.

Estresse crônico

Quando uma pessoa se mantém continuamente estressada, e isso faz parte da rotina, o estresse pode estar se tornando crônico. Neste caso, as reações do corpo e os sintomas não vão embora, afetando diversas áreas da vida. O estresse crônico é um fator de risco para ansiedade e depressão

De acordo com o psiquiatra Mário Louzã, o estresse crônico é prejudicial ao corpo principalmente porque alguns hormônios, particularmente o cortisol, começam a entrar em ação. “Se o cortisol fica muito elevado durante dias, semanas, começa a gerar problema para o organismo, que não foi feito pra ter esse hormônio em sobrecarga”, explica ele.

Sintomas:

  • fadiga
  • desgaste
  • mal estar
  • cansaço
  • esgotamento
  • aumento da vigilância
  • dificuldade em relaxar e descansar
  • desânimo
  • tristeza
  • sensação de fracasso
  • dificuldade de sentir prazer
  • alteração do sono.

Mário ainda alerta para a possibilidade de que o estresse crônico se transforme na Síndrome de Burnout, doença principalmente relacionada ao trabalho.

Transtorno do estresse pós-traumático

Quando o episódio que desencadeou o estresse agudo representou ameaça à sua vida ou à vida de terceiros, é possível que a pessoa desenvolva o transtorno do estresse pós-traumático (TEPT). Ele pode ser definido como um distúrbio de ansiedade caracterizado por um conjunto de sinais e sintomas físicos, psíquicos e emocionais.

Esse quadro ocorre devido à pessoa ter sido vítima ou testemunha de atos violentos ou de situações traumáticas.. Quando ele se recorda do fato, revive o episódio como se estivesse ocorrendo naquele momento e com a mesma sensação de dor e sofrimento vivido na primeira vez. Essa recordação, conhecida como revivescência, desencadeia alterações neurofisiológicas e mentais.

Você pode se interessar por este texto: Segurança Psicológica: saiba o que o Google descobriu

 

4 comentários em “O Estresse: saiba mais a respeito”

  1. Pingback: A Síndrome de Burnout | Psicologia Clínica e Organizacional

  2. Pingback: Transtorno de Ansiedade: o que é? | Psicologia Clínica

  3. Pingback: Melhore a sua Resiliência | Psicologia Clínica e Organizacional

  4. Pingback: Tenha bons Relacionamentos Interpessoais | Psicologia Clínica

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat